Corona diaries #5

Ilustração de Kati Kohl

[Você pode ler ao som de Où va le monde, de La Femme]

Você sabe o que é um Roepnaam? Quando cheguei na Holanda fui surpreendida por este campo em alguns formulários. Em tradução livre, é um “nome diário”. A língua holandesa não é das mais fáceis, os locais estão de acordo, e os nomes próprios não fogem desta curva. Muita gente foi batizada com nomes cristãos por essas bandas também. Em alguns casos, esses nomes não são tão fáceis de se pronunciar para quem não fala holandês. Quando uma criança nasce na Holanda, os pais escolhem o nome (na grande maioria dos casos são nomes compostos) e o tal do Roepnaam, pois bem, escolher um nome composto e um sobrenome é pouca coisa. É uma espécie de apelido no fim das contas, com a diferença de que ele vira quase o teu nome oficial porque as pessoas só te reconhecem por ele! Pareceu confuso? Pois bem, vai continuar sendo confuso como quase tudo na cultura local. Posso exemplificar com uma personagem bem conhecida e talvez dê para ter uma noção melhor: Anne Frank. Seu nome era Annelies Marie Frank. Anne não era nome ‘artístico’, mas seu Roepnaam, e todos eles constavam em sua certidão de nascimento.

Se um dia um conhecido holandês vier me relatar uma crise de identidade, terei o dobro de empatia. Coitadinho.

E já que estamos no tema Holanda, sinto que o Buienradar resolveu me pregar uma peça. O aplicativo em questão é um grande aliado da população holandesa, pois este belo radar meteorológico nos dá uma estimativa quase precisa das chuvas no país. Ele costuma ser bem eficaz e me ajudou muito a encontrar janelas sem chuva para fazer mercado ou sair para correr antes do Covid-19. Foi só falar de confinamento que ele deu para me dizer “Geen neerslag verwacht” (em livra tradução: nenhuma precipitação esperada) TO-DOS os dias. Muito sol e céu azul para nós. Porém basta abrir a porta do terraço um pouquinho para acalmar os ânimos: a ventania maluca deste país segue firme e forte e faz um frio de doer. Muitíssimo apropriado para ficarmos quietos de conchinha no sofá.

Nós somos, todavia, um casal muito culto – então vamos aproveitar que Nicolas não precisa trabalhar e passar a tarde lendo. Resolvi pegar um quadrinho para este domingo: S’enfuir – Récit d’un otage, de Guy Delisle. Eu AMO Delisle e recomendo todos os quadrinhos já publicados dele. Mas me faltava este, sua publicação mais recente. Ele conta a história de Christophe André, que foi sequestrado no Cáucaso durante uma missão para uma ONG em 1997. Ele relata sua experiência em cativeiro ao longo de 111 dias. Quer leitura mais adequada para um confinamento?

Mal sabia que ao começar seria acometida pelas ironias de meu intestino, que resolveu elevar o conceito de ficar em casa à máxima potência.

E já que apelei à escatologia (estaria eu deveras afetada pelas declarações do dito presidente do meu país de origem?), decidimos coroar o dia de hoje com Love is blind. A série coloca um pessoal para se conhecer “pelas paredes”, eles conversam e precisam se pedir em casamento sem nunca terem se visto. Um ponto excelente são as marcações: quando vi o “dia 1 do EXPERIMENTO” já estava com lágrimas nos olhos de tanto rir. É maravilhosamente horrível! Vi muitas pessoas recomendando antes do meu período offline do Twitter, alguns amigos indicaram, sabe-se lá como consegui desviar de tanto spoiler mesmo sendo tão previsível.

Mas é fato: conteúdos bobos como este são uma boa distração para quem sofre de ansiedade e não aguenta mais se sentir atingido com esse tanto de notícia ruim. É preciso uma dose de ignorância para não pirar em meio à tanta loucura.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s